No silêncio da noite

Por | 29 de Dezembro de 2006

Foi numa noite de luar,
Que me senti levar,
Foi então que tive em mente,
Ser estrela cadente,
Vaguear como duas almas apaixonadas,
Juntas pelo universo,
Libertar-me, destas amarras da vida,
Sendo livre de voar pelo mundo,
Sem parte definida,
Sem local de chegada,
Sem destino escolhido,
Essa liberdade de viver,
Apenas se compadece, com a vontade de oferecer.
Por vezes, procuro-me no luar,
Fascina-me o seu olhar,
Pergunto-me, se estou a sonhar,
Não sei !
Sei apenas, que tenho sempre o luar,
Para me acompanhar!

Beijós, a Aldeia mais digital de Portugal

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *